Monthly Archives: dezembro 2013

“PARA ELES, TUDO BEM; NÃO PARA MIM!”

Segunda-feira 23 Dezembro

Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor

(Romanos 6:23).

“PARA ELES, TUDO BEM; NÃO PARA MIM!”

Em 1899, o lutador de luta romana Louis Launey foi enterrado em Paris. Um grupo de homens corpulentos foi à frente do carro funerário: os esportistas franceses prestavam a última homenagem ao companheiro. Mas o que causou a morte dele?

O cachorro de Launey, que ele mesmo adestrara, contraiu raiva e mordeu a sua mulher e filho. O veterinário que examinou o animal foi categórico: “O cão tem de ser sacrificado”. – Isso pode ser feito com facilidade; respondeu o atleta, asfixiando o cão em poucos segundos. Porém, antes de morrer, ele conseguiu morder o dono. Foi um ferimento pequeno, quase imperceptível. “Tudo bem”, pensou Launey, confiando em seu corpo forte.

Ele levou a esposa e o filho ao Instituto Pasteur, fundado um ano antes. Com o tratamento adequado, eles foram curados a tempo. Mas Launey não viu necessidade de se tratar. Certa manhã, os sintomas da infecção se manifestaram de modo violento. À tarde a vida dele acabou em tremenda agonia. Ele considerava que o doutor Louis Pasteur era bom o suficiente para sua esposa e filho, mas que ele mesmo não tinha qualquer necessidade do médico.

“Isso é muito bom para mulheres e crianças, não para mim!” Quantos homens rejeitam a mensagem da salvação por causa desse preconceito. No entanto, a graça de Deus em Jesus Cristo é o único modo de salvar o mais fraco e o mais forte dos homens, pois todos, sem exceção, estão contaminados com o pecado.

ALÉM DO ENTENDIMENTO HUMANO

Domingo 22 Dezembro

Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade

(Colossenses 2:9).

ALÉM DO ENTENDIMENTO HUMANO

O principal assunto da epístola aos Colossenses é a glória da Pessoa de Jesus Cristo. Subjugado pela grandeza de seu Senhor, por meio da inspiração do Espírito Santo, Paulo apresenta aos seus leitores a majestade, dignidade, singularidade da Pessoa de Cristo de tal maneira que incita admiração. Ao fazê-lo, ele confronta os falsos mestres que procuravam reduzir a Pessoa do Senhor Jesus ao nível dos meros mortais.

Assim como hoje, naquela época não faltavam tentativas de negar tanto a divindade de Cristo quanto Sua real humanidade. No entanto, a verdade central fundamental da fé cristã é o fato de Jesus ser Deus e Homem em uma só Pessoa. Ninguém nunca será capaz de explicar isso de maneira adequada. Tal fato sempre permanecerá como um profundo mistério a ser crido, não compreendido perfeitamente. Contudo, é um mistério diante do qual o crente se prostra em adoração e reverência.

Nossa mente pode captar a verdade do próprio Criador ter nascido neste mundo como uma criança qualquer, inteiramente dependente? Mas isso aconteceu. Nosso Senhor Se tornou Homem no corpo, na alma e no espírito. Ele tinha sentimentos e necessidades humanos, embora “toda a plenitude nele habitasse” (Colossenses 1:19).

Sendo o Filho de Deus, Ele podia perdoar pecados, expelir demônios e ressuscitar mortos. Ele podia dar a Sua vida e retomá-la. Que maravilha insondável!

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 1 REIS

Sábado 21 Dezembro

Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas

(Mateus 7:6).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 1 REIS (Leia 1 Reis 9:10-28)

Salomão cometeu um grave erro ao dar ao rei de Tiro cidades que faziam parte do reino de Israel. Da mesma maneira, isso acontece conosco quando abandonamos parte de nossa herança celestial para obter os benefícios do mundo. Tomemos como exemplo a forma como passamos o dia do Senhor – o domingo. Não é comum ficarmos o dia inteiro visitando amigos ou parentes? Tais concessões são ruins para ambas as partes. Como podemos pensar em trazer alguém para conhecer as verdades divinas e perceber os privilégios cristãos se nós mesmos não os valorizamos? Observe Hirão! Ele nem mesmo apreciou o gesto de Salomão.

O final do capítulo nos mostra o rei, como sábio administrador, fortalecendo e organizando seu reino. De um lado ele mantém seu relacionamento com Deus (v. 25), e de outro com os vários países e povos que faziam fronteira com Israel. Pela primeira vez, desde os tempos de Josué, todos os cananeus estão sob sujeição. Lembremos que eles são tipos dos inimigos de nossa alma. Será que os inimigos de sua alma estão em liberdade, ou você encontrou em Cristo a força para subjugá-los totalmente?

A Criança Que Sempre Existiu

Há dois mil anos atrás nasceu em Israel uma criança que mais tarde pôde declarar, com toda a razão: “Antes que Abraão existisse, EU SOU” (Jo 8.58).

Sobre o nascimento e o nome dessa criança a Bíblia relata: “Estando eles ali (em Belém), aconteceu completarem-se-lhe os dias, e ela deu à luz o seu filho primogênito, enfaixou-o e o deitou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria” (Lc 2.6-7). José lhe “pôs o nome de Jesus” (Mt 1.25).

Um casal está a caminho. A mulher se encontra nos últimos dias da gravidez. Em breve seu filho irá nascer. Não em casa, mas na estrebaria de uma hospedaria superlotada. Não há berço para o bebê, que é colocado em uma manjedoura. O recém-nascido recebe o nome de Jesus.

Este nome viria a se tornar o mais famoso e significativo de toda a história da humanidade, e seu possuidor a personalidade mais importante de todos os tempos. Ele sobrepuja a todos os reis, poderosos, heróis, políticos e famosos de ontem e de hoje. Pessoa alguma tocou o mundo de maneira tão forte e perene quanto Ele. O que está por trás desse nome, dessa pessoa chamada Jesus?

É imprescindível ocupar-se com esse homem. Quem o negligencia, quem deixa de dar-lhe atenção perde o que existe de mais grandioso. Há algum tempo o correio devolveu um de nossos livros evangelísticos porque o destinatário não quis recebê-lo. Na justificativa da devolução estava escrito “Desnecessário”. Muitos pensam que Jesus é “desnecessário” para eles.

Jesus cresceu física, emocional e espiritualmente como um menino normal.

Bem diferente foi o comportamento dos magos do Oriente (Mt 2.1ss.). E Agur, que viveu muito tempo antes de Jesus nascer, já disse:“Quem subiu ao céu e desceu? Quem encerrou os ventos nos seus punhos? Quem amarrou as águas na sua roupa? Quem estabeleceu todas as extremidades da terra? Qual é o seu nome, e qual é o nome do seu filho, se é que o sabes?” (Pv 30.4). O próprio Jesus dá a resposta: “Ora, ninguém subiu ao céu, senão aquele que de lá desceu, a saber, o Filho do homem” (Jo 3.13).

Quem é a criança envolta em faixas que nasceu em um estábulo em Belém? Trata-se dAquele que já existe desde sempre.

Qual é o nome de Deus

Alguma vez você já se perguntou qual o verdadeiro nome de Deus? Ele deve ter um nome! Agur perguntou: “Qual é o seu nome, e qual é o nome do seu filho, se é que o sabes?” (Pv 30.4). Uma das perguntas que Moisés fez ao Senhor foi: “Eis que, quando eu vier aos filhos de Israel e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós outros; e eles me perguntarem: Qual é seu nome? Que lhes direi?” (Êx 3.13).

A palavra “Deus” é apenas um título, um termo genérico, que também pode ser aplicado a pessoas. Em todas as épocas houve pessoas que se chamaram de “deuses”. O próprio Deus usou essa expressão quando disse que Moisés seria Deus para Arão: “Ele falará por ti ao povo; ele te será por boca, e tu lhe serás por Deus” (Êx 4.16).

O conceito de “deus”

– pode ser aplicado a Alá. Alá não é um nome próprio, pois significa simplesmente “deus”.

– pode ser aplicado aos “deuses” no sentido de falsas divindades e ídolos dos gentios: “Não seguirás outros deuses, nenhum dos deuses dos povos que houver à roda de ti” (Dt 6.14).Em 1 Coríntios 8.5-6 está escrito: “Porque, ainda que há alguns que se chamem deuses, quer no céu ou sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores, todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele”.

“Eu sou o bom pastor”

Mas como se chama o verdadeiro Deus, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó? Esse Deus tem um nome próprio atribuído somente a Ele. É um nome que não Lhe foi dado por ninguém, mas que Ele mesmo se deu e que descreve quem Ele é. Esse nome é representado pelo tetragrama YHWH, que em algumas traduções da Bíblia aparece como “Javé”, outras traduzem como “Jeová” e “Senhor”. Isso pode ser visto na resposta de Deus à pergunta de Seu servo Moisés: “Disse Deus ainda mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O Senhor (Javé), o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me enviou a vós outros; este é o meu nome eternamente, e assim serei lembrado de geração em geração” (Êx 3.15). Quando Moisés estava muito abatido após seu primeiro encontro com Faraó e ao ouvir suas ordens negativas, o Eterno o animou com as seguintes palavras: “Eu sou o Senhor (Javé). Apareci a Abraão, a Isaque e a Jacó como Deus Todo-Poderoso; mas pelo meu nome, O Senhor (Javé), não lhes fui conhecido” (Êx 6.2-3).

O que significa esse nome?

O Senhor explicou a Moisés, quando este perguntou por Seu nome: “EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós outros… O Senhor (Javé), o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó…” (Êx 3.14-15). Com isso Deus estava se diferenciando de todos os outros deuses, pois Javé significa “Eu sou o que sou”. Esse nome exprime a existência eterna de Deus, aquilo que Ele é em toda a Sua pessoa.

Abraham Meister, erudito e profundo conhecedor da Bíblia, escreveu em um de seus comentários: “Javé é o absoluto ‘EU’ em sua plenitude divina máxima”. O nome próprio de Deus pode ser traduzido de nove maneiras diferentes. Através delas vemos que Deus é:

Eu sou o que sou.
Eu sou o que era.
Eu sou o que serei.
Eu era o que sou.
Eu era o que era.
Eu era o que serei.
Eu serei o que sou.
Eu serei o que era.
Eu serei o que serei.

Isso significa: “Eu sou Aquele que nunca veio à existência, que sempre é, que existe por si mesmo, o imutável, que é eternamente presente”.

“Eu sou a videira verdadeira”

Meister escreve: “A raiz ‘hwh’, da qual deriva a palavra ‘Javé’, significa ‘ser’, ‘vir a ser”. Ele é, portanto, ‘o que é’, que se torna conhecido como o que ‘vem a ser’. Ele se mostra ‘em uma auto-revelação constante e crescente’… Ele é auto-existente, que se revela a si mesmo…”

Esse nome era tão sagrado, grandioso e inacessível para os judeus que eles, por profundo respeito ao terceiro mandamento:“Não tomarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão”, nem ousavam pronunciá-lo. Ao invés de Javé, eles diziam “Senhor” (Adonai).

Quem é esse Deus?

Considero esse temor dos judeus exagerado, pois Deus queria ser chamado de “Javé”. Assim está escrito, por exemplo, em Joel 2.32: “E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor (Javé) será salvo” (veja também 1 Co 10.13).

O nome de Deus, “Javé”, está explicitamente ligado à salvação. É significativo ver que Deus se revela com esse nome em conexão com a salvação de Israel do cativeiro egípcio (Êx 3).

Ao estudarmos a auto-revelação divina através de Seu nome Javé, vemos que o Senhor tem salvação, ajuda e socorro para todas as pessoas e para todas as suas necessidades, por exemplo:

Javé-Raffá – o Senhor que sara.
Javé-Roi – O Senhor é o meu pastor.
Javé-Shalom – o Senhor é paz.
Javé-Tsidkenu – o Senhor é nossa justiça.

A salvação humana, porém, está personificada na revelação do Filho de Deus em Sua encarnação.

1. Deus se revela como Salvador

Através do profeta Isaías, Deus disse a Seu povo: “Porque eu sou o Senhor, teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador” (Is 43.3). E mais: “Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há salvador” (Is 43.11).

Quando Jesus tornou-se homem, foi dito a Seu respeito: “O anjo, porém, lhes disse: Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lc 2.10-11).

“Eu sou o pão da vida”

2. Deus se revela como Pastor

Davi fala de um bom pastor, “Javé-Roi”, no Salmo 23.1: “O Senhor é o meu pastor; nada me faltará.” Sempre me perguntei por que o anjo do Senhor foi primeiro até os pastores nos campos de Belém para falar-lhes do Salvador. E dentro dessa perspectiva, revelada por um dos nomes de Deus, consigo entender melhor o porquê: o verdadeiro Pastor de Israel veio ao mundo para suprir as necessidades de todas as pessoas. Os pastores nos campos de Belém ouviram a proclamação: ‘Pastores de Belém! Vocês sabem lidar muito bem com as ovelhas! Agora chegou o Pastor de vocês! O Grande Pastor, o Supremo Pastor ‘Javé-Roi’!” (compare com 1 Pe 5.4).

3. Deus se revela como Rocha

Lemos sobre a “Rocha” de Israel: “Pois quem é Deus, senão o Senhor? E quem é o rochedo, senão o nosso Deus?” (Sl 18.31). E o apóstolo Paulo diz acerca dessa Rocha: “…e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo” (1 Co 10.4).

Deduz-se daí que:

Jesus é Deus

Existem algumas passagens do Novo Testamento onde o Senhor Jesus fala de si mesmo de maneira muito soberana, dizendo que é o “Eu Sou”. Ao fazer essa auto-revelação, Ele usa exatamente a mesma expressão com que Deus se revelou a Seu povo, no Antigo Testamento, como o único Salvador e Senhor do Universo.

Podemos dizer que Jesus é a pessoa da Trindade que se voltou para a humanidade; em Jesus, Deus voltou-se para nós. Não cremos em três deuses mas em um só Deus que se revela em três pessoas.

Vejamos a auto-revelação de Jesus Cristo como o “Eu Sou”:

1. Jesus diz em João 13.19: “Desde já vos digo, antes que aconteça, para que, quando acontecer, creiais que EU SOU.” Jesus anuncia que é Javé, o “Eu Sou” do povo de Israel.

2. Encontramos uma das auto-revelações mais interessantes de Jesus por ocasião de Seu debate com as autoridades judaicas: “Por isso, eu vos digo que morrereis nos vossos pecados; porque, se não crerdes que EU SOU, morrereis nos vossos pecados. Então, lhe perguntaram: Quem és tu? Respondeu-lhes Jesus: Que é que desde o princípio vos tenho dito?” (Jo 8.24-25). Quando os judeus perguntaram: “És maior do que Abraão, o nosso pai, que morreu? Também os profetas morreram. Quem, pois, te fazes ser?” (Jo 8.53), Jesus lhes respondeu: “Em verdade, em verdade eu vos digo: antes que Abraão existisse, EU SOU. Então, pegaram em pedras para atirarem nele; mas Jesus se ocultou e saiu do templo” (vv. 58-59).

“Eu sou a porta”

3. Jesus se apresentou como “Eu Sou” em outras situações:

“Eu sou o pão da vida” (Jo 6.35).
“Eu sou a luz do mundo” (Jo 8.12; 9.5).
“Eu sou a porta” (Jo 10.9).
“Eu sou o bom pastor” (Jo 10.11,14).
“Eu sou a ressurreição e a vida” (Jo 11.25).
“Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida” (Jo 14.6).
“Eu sou a videira verdadeira” (Jo 15.1).

4. A declaração mais marcante de Jesus dizendo que era Deus ocorreu quando Ele se encontrava no jardim Getsêmani. Lemos em João 18.3-6: “Tendo, pois, Judas recebido a escolta e, dos principais sacerdotes e dos fariseus, alguns guardas, chegou a este lugar com lanternas, tochas e armas. Sabendo, pois, Jesus todas as coisas que sobre ele haviam de vir, adiantou-se e perguntou-lhes: A quem buscais? Responderam-lhe: A Jesus, o Nazareno. Então, Jesus lhes disse: Sou eu. Ora, Judas, o traidor, estava também com eles. Quando, pois, Jesus lhes disse: Sou eu, recuaram e caíram por terra.”

Nessa ocasião, Jesus claramente se revelou com o nome de Deus, “Javé”, Aquele que existe por sua própria força e poder, Aquele que existe por si mesmo. Como conseqüência dessa revelação, tão explicitamente de acordo com a revelação divina que o povo de Israel conhecia, os que estavam presentes recuaram e caíram por terra.

A conseqüência dessa verdade

A declaração mais marcante de Jesus dizendo que era Deus ocorreu quando Ele se encontrava no jardim Getsêmani.

Esse Jesus, que veio ao mundo numa estrebaria, que passou pelo processo de se tornar humano ao nascer assim como nós, que cresceu como menino normal física, emocional e espiritualmente, que amadureceu e começou a envelhecer como qualquer pessoa, esse Jesus é Javé desde a eternidade e existe desde sempre.“Eu sou o que sou.” A Epístola aos Hebreus diz a Seu respeito: “Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre” (Hb 13.8).

Por que Jesus teve de se tornar homem? Porque Deus não pode morrer! Mas Deus queria morrer pelos pecados dos homens, de modo que tinha de se tornar homem e por isso veio ao mundo através de Jesus Cristo. Lemos sobre esse ato sublime de Deus se tornando homem : “pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz” (Fp 2.6-8). No grego, a expressão “subsistindo em forma de Deus” define uma forma, uma maneira de ser quando vista objetivamente por um espectador neutro, a forma como ela é em si mesma. Jesus é Deus e existe desde a eternidade como o próprio Deus.

Nascemos como seres humanos e desejamos entrar na vida eterna. Jesus veio da vida eterna e tornou-se homem para morrer. No jardim Getsêmani, quando Jesus se revelou como o “Eu Sou” e todos os seus inimigos recuaram e caíram por terra, Ele ordenou: “se é a mim, pois, que buscais, deixai ir estes (Seus discípulos)” (Jo 18.8). E então entregou-se voluntariamente para morrer.

Deus se entregou para que você possa “ir”, para que você fique livre. Deus morreu, para que você possa viver eternamente. Somente assim torna-se possível invocar o nome do Senhor para sermos salvos.

Por Jesus ser Aquele que é, Deus “o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra” (Fp 2.9-10). É por isso que “não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (At 4.12).

Não podemos invocar Deus maior que Javé, pois não existe quem seja superior ao “Eu Sou”. Através da encarnação de Jesus, através de Sua morte na cruz e através de Sua ressurreição temos a possibilidade de invocar Aquele que está acima de tudo e de todos. Para toda área de nossas vidas, para toda dor, para toda angústia e para todo pecado Ele é o verdadeiro e único sarador e Salvador. Ele controla qualquer situação com que possamos nos defrontar. Jesus disse com toda a autoridade: “Eu e o Pai somos um” (Jo 10.30). Por essa razão aplicam-se a Ele as palavras de Isaías 43.11: “Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há salvador.” (Norbert Lieth – http://www.chamada.com.br)

GENTE COMO NÓS

Sexta-feira 20 Dezembro

Elias era um homem sujeito às mesmas paixões que nós

(Tiago 5:17).

GENTE COMO NÓS

Em biografias escritas há alguns séculos era costume trazer à luz cada detalhe da vida privada de pessoas famosas. Ainda hoje os biógrafos competem uns com os outros para publicarem o maior número possível de detalhes escabrosos.

A Bíblia também contém o relato da vida de muitas pessoas. Ela fala sobre homens e mulheres de fé, com os quais podemos aprender grandes coisas.

Mas será que a Bíblia manterá discrição e suprimirá qualquer ato embaraçoso? Ela nos mostrará o que é bom e exemplar, omitindo as falhas de tais santos?

A Bíblia não faz nem uma coisa nem outra. O que está escrito não foi ditado pelo gosto popular nem por idealismo, mas pelos objetivos e padrões divinos. Portanto, não contêm quaisquer mitos moralizantes sobre os santos. Seus relatos são honestos e diretos. Os fracassos dos heróis da fé não são escondidos, e muito menos retocados para causarem sensação no público.

Um rei como Davi, um profeta como Moisés, Elias ou Jonas foram expostos a severas tentações, assim como nós somos hoje. Vemos ocasiões onde caíram, mas também como se voltaram a Deus obtiveram perdão. E tem algo mais profundo para aprendermos com eles: quem vive na dependência de Deus recebe força para permanecer firme em situações desafiadoras e não sucumbir à tentação.

É isso que torna as histórias bíblicas tão excitantes e comoventes. Elas não falam sobre fanáticos religiosos se dedicando à meditação o dia inteiro, ou pessoas esquisitas praticando exercícios espirituais complicados. A Bíblia fala de gente com as “mesmas paixões [sentimentos e emoções] que nós”.

PODEMOS AMAR

Quinta-feira 19 Dezembro

Permaneça o amor fraternal. Não vos esqueçais da hospitalidade.

Mas,sobretudo, tende ardente amor uns para com os outros; porque o amor cobrirá a multidão de pecados

(Hebreus 13:1-2; 1 Pedro 4:8).

PODEMOS AMAR

O amor fraternal é a marca da nova vida que cada crente possui. “Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos” (1 João 3:14). E lemos também: “Todo aquele que ama ao que o gerou também ama ao que dele é nascido” (1 João 5:1). E como deveria ser tal amor? Ardente e genuíno.

Mas você pode argumentar que os filhos de Deus têm tantas falhas que fica difícil amá-los. E você? Também não tem as suas? Em Sua graça, Deus nos perdoou de uma dívida tamanha que não deveríamos tropeçar nas faltas dos outros nem deixar de lhes demonstrar amor. O fato de todos termos áreas fracas pode ser um estímulo para que oremos e sirvamos nossos irmãos. Se pensarmos na imensidão da graça divina que foi necessária para nos salvar, não acharíamos razão para reter nosso amor a ninguém, mesmo com os pecados que vemos neles.

Os filhos de Deus que são agradecidos amam os outros porque Deus os amou e os comprou com o sangue de Seu próprio Filho. E de fato podemos amar nossos próximos, porque “o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Romanos 5:5).