As Obras de Deus:

\\\\\\\"Os céus declaram a glória de Deus\\\\\\\" (Sl 19:1, NVI) Rádio a Voz do Evangelho

Ele nos ouve e nos responde:

Inclina, SENHOR, os teus ouvidos, e ouve-me, porque estou necessitado e aflito. Salmos 86:1

Somente o Senhor Jesus pode nos garantir Vida Eterna!

”E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.”

As moradas de Deus:

Como é agradável o lugar da tua habitação, Senhor dos Exércitos! Salmos 84:1

 

A UNIDADE DA IGREJA

Assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros

(Romanos 12:5).

A UNIDADE DA IGREJA

A unidade dos crentes é uma magnífica verdade. Para nos mostrar isso, Deus em Sua Palavra utiliza a figura de um corpo. Cristo é a cabeça no céu. Cada pessoa salva é um membro desse Corpo, de modo que todos os crentes estão unidos a Cristo em uma perfeita unidade.

Pertencer a esse Corpo se expressa no partir do pão, quando celebramos a ceia. “O pão que partimos não é porventura a comunhão do corpo de Cristo? Porque nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo, porque todos participamos do mesmo pão” (1 Coríntios 10:16-17).

O fato de todos os salvos formarem um conjunto vai muito além disso. Romanos 12:5 é o começo de uma lista de exortações sobre nossos relacionamentos nas esferas pessoal, profissional e social. Todas as áreas de nossa vida e atividades como cristãos estão regidas pelo mesmo princípio: “Somos um só corpo em Cristo”.

Assim, tudo o que fazemos produz efeitos sobre os demais membros deste Corpo. Não estamos em uma posição isolada, e, portanto, as ações de cada indivíduo afetam todo o conjunto, seja para a benção, seja para a destruição; seja para a glória da Cabeça, seja para Sua desonra!

“Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios” (Efésios 5:15).

VOCÊ ESTÁ DISPOSTO?

Porque não vos fizemos saber a virtude e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, seguindo fábulas artificialmente compostas; mas nós mesmos vimos a sua majestade

(2 Pedro 1:16).

VOCÊ ESTÁ DISPOSTO?

A primeira geração de líderes cristãos cumpriu a vocação que recebeu de Deus como profetas e apóstolos, e lançou os fundamentos para a Igreja (Efésios 2:20-22). Eles também advertiram sobre as falsificações que logo surgiriam. De fato, mesmo durante o ministério deles o inimigo os resistiu com toda sorte de ataques, tentando paralisá-los e exterminá-los. Como não conseguiu, Satanás mudou a tática e tentou corromper o testemunho por meio de imitações e falsificações. E tais ataques continuam até hoje, e se intensificaram em uma sociedade como a nossa que ama a mentira.

Pela soberana chamada do Senhor e após uma preparação especial na escola de Deus, Pedro recebeu as chaves do Reino (Mateus 16:17-19). Essas chaves representam a autoridade dada pelo Senhor para abrir ou fechar as portas do Reino, o que Pedro fez em Atos 2 a 15. Tendo ele mesmo passado por sofrimentos, em sua primeira epístola, Pedro prepara os cristãos para o sofrimento, que continuará até que o Príncipe da Paz volte.

Como cada nova geração de crentes precisa de treinamento para enfrentar e vencer as dificuldades, Pedro lista alguns recursos divinos (2 Pedro1:2-12), enquanto enfatiza grandeza de Cristo, a segunda vinda, e a perfeição da Palavra de Deus (vv. 16-21).

Nossa geração tem atribuições diferentes das anteriores, e cabe a nós cumpri-las. Mas o treinamento envolve sofrimento, pois nos “foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele” (Filipenses 1:29). Você está disposto a isso, leitor?

JESUS NAZARENO, HOMEM APROVADO POR DEUS”

Jesus Nazareno, homem aprovado por Deus entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que Deus por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis

(Atos 2:22).

“JESUS NAZARENO, HOMEM APROVADO POR DEUS”

“Homem aprovado por Deus” é algo que pode ser dito apenas de uma Pessoa ? Jesus de Nazaré. Natanael, futuro discípulo do Senhor Jesus, tinha sérias dúvidas acerca disso, pois perguntou: “Pode vir alguma coisa boa de Nazaré?” Da perspectiva dele, nada. Porém, qual foi a resposta que recebeu? “Vem, e vê” (João 1:46). E foi, e viu. E o que viu? O que jamais imaginou que pudesse ver: o Filho de Deus, o Rei de Israel! E muitas coisas inimagináveis estavam reservadas para ele. Ele veria milagres, sinais, prodígios, e os céus abertos para receber o Homem que Deus escolheu.

Mas o Homem escolhido por Deus foi crucificado por mãos ímpias. E este terrível ato de crucificar o Filho de Deus é a prova cabal da total depravação e inimizade humana contra Deus. Mas ? glórias ao Senhor! ? que a história não parou por aqui. Ao enviar Seu Filho, Deus demonstrou um amor de tal magnitude que nem Natanael nem qualquer outra pessoa é capaz de entender, mas que mesmo uma criancinha pode desfrutar.

E este “Jesus Nazareno” agora está assentado à destra de Deus, ainda realizando “maravilhas, prodígios e sinais”, até que “como vós mesmos sabeis”, Ele volte para buscar os Seus redimidos.

O PRIMEIRO

Quem operou e fez isto, chamando as gerações desde o princípio? Eu o Senhor, o primeiro, e com os últimos eu mesmo

(Isaías 41:4).

O PRIMEIRO

Quando no Antigo Testamento Deus disse acerca de Si mesmo: “Eu o Senhor, o primeiro” enfatizava assim Sua divindade. Não houve ninguém antes dEle. Ele era desde o princípio. Como Deus eterno, não teve um princípio. No sentido absoluto, Ele é o primeiro.

Quando o Filho de Deus Se fez homem e veio ao mundo com o nome de Jesus, em muitos aspectos era o primeiro e deveria ser, porque esse humilde homem era ao mesmo tempo o Deus eterno: Deus e homem em uma pessoa. “E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne” (1 Timóteo 3:16). “O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação” (Colossenses 1:15).

Engendrado pelo Espírito Santo no ventre da virgem Maria, Ele foi o primeiro filho dela. Ao final de Sua missão oficial, entrou em Jerusalém montado em um asno, “sobre o qual ainda não montou homem algum” (Marcos 11:2). O que as Escrituras dizem sobre o sepulcro lavrado na pedra onde o corpo do Senhor Jesus foi depositado? “E, havendo-o tirado, envolveu-o num lençol, e pô-lo num sepulcro escavado numa penha, onde ninguém ainda havia sido posto” (Lucas 23:53). Como o primeiro foi colocado naquela tumba, e a deixou como “o primeiro da ressurreição dentre os mortos” (Atos 26:23).

No livro de Apocalipse, por três vezes o Senhor Jesus Se auto-intitula “o primeiro”. Ele é a mesma pessoa: o Senhor como o primeiro no Antigo Testamento, e o Senhor Jesus como o primeiro no Novo Testamento.

E em sua vida, o Senhor Jesus também é o primeiro?

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 REIS

Porém seu servo disse: Como hei de eu pôr isso diante de cem homens? E disse ele: Dá-o ao povo, para que coma; porque assim diz o Senhor: Comer-se-á, e sobejará. Então, lhos pôs diante, e comeram, e deixaram sobejos, conforme a palavra do Senhor.

(2 Reis 4:43-44).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE 2 REIS (Leia 2 Reis 4:32-44)

Como lembrado no capítulo 11 de Hebreus, o capítulo da fé: “Mulheres receberam, pela ressurreição, os seus mortos” (11:35). Isso acontece com a viúva de Sarepta e agora novamente com a sunamita. Mas que contraste com a cena no sepulcro de Lázaro, onde uma simples palavra do Senhor da vida foi suficiente para trazer à vida um homem morto há quatro dias! Em breve os santos que dormem ouvirão a “palavra de ordem” dAquele que conquistou a morte e ressuscitarão em poder (1 Tessalonicenses 4:16).

O incidente da morte na panela nos lembra como os homens, às vezes com a melhor das intenções, somente conseguem estragar o que Deus deseja dar-lhes. Temos de nos guardar, portanto, de não adicionar nada à Palavra, alimento para nossa alma (Gálatas 1:7-8). Quantos escritos religiosos contêm veneno misturado à verdade divina!

O homem de Baal-Salisa, cujos pães e espigas alimentaram cem homens, nos traz à mente cenas do evangelho (Mateus 14:15-21; 15:32-38). E aqui também percebemos a diferença entre o profeta e Aquele que fez a multidão sentar e se alimentar pela virtude de Seu próprio poder (Salmo 132:15).